Palestra 'Os cinco paradigmas da psicanálise' - Jairo Gerbase.

Descrição: 
Tendo como base o modelo da mente (RSI) proposto por Jacques Lacan, no qual estão representados, na forma de aros, os registros do Real [R], do Simbólico [S] e do Imaginário [I], e o modelo (à direita), apresentado, pelo psicanalista, no Seminário 23 - 'O sintoma', Jairo Gerbase iniciou sua apresentação: 'Simplificando, o modelo de Lacan diz que a abordagem da realidade é feita através do imaginário, com o olhar, ou pelo simbólico, uma comunicação que dispensa o olhar e utiliza a voz, mas que apesar de termos esses dois recursos para abordar a realidade, há algo nela - o Real [R] - que não se deixa 'abordar', disse. 'O Real é o impossível de abordar, o inefável, o indizível', enfatizou. Segundo ele, no entanto, num esforço para abordar essa parte inabordável da realidade, o Real [R], Lacan inseriu mais um elemento ao modelo original: o sintoma [Σ]. 'O sintoma neurótico é mais um recurso que nós humanos utilizamos para dizer o indizível', explicou e deu exemplos. A partir daí, com muito bom humor, o palestrante, passou a explicar a formação e dissolução dos sintomas por meio dos cinco paradigmas da psicanálise, representados nas áreas de interseção dos aros (registros), os paradigmas do 'gozo fálico', do 'gozo do Outro', do 'gozo do sentido' do 'mais-de-gozar' e do 'gozo do sintoma'. Os arquivos estão disponíveis para audição, leitura e/ou download por meio dos ícones ao lado. O áudio foi dividido em duas partes.

Linguagem:

Formato:

Fonte: 
CCI/ENSP
Descrição dos direitos autorais: 
Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada (CC BY-NC-ND 3.0)

Tags (palavra-chave):