Congresso Brasileiro de Ciências Sociais e Humanas e Saúde, 4º, 2007 - Conferência de abertura .

Descrição: 
Arquivo de áudio contendo a solenidade de abertura do IV Congresso Brasileiro de Ciências Sociais e Humanas e Saúde, proferida pelo Ministro da Saúde José Gomes Temporão, que falou sobre assuntos como a interrupção da gravidez indesejada, planejamento familiar e o entendimento da saúde como forma de desenvolvimento econômico e social. Segundo o ministro, o Ministério da Saúde, como co-patrocinador do Congresso Brasileiro, tem ajudado a consolidar o espaço de produção científica, de reflexão e pensamento crítico sobre os rumos da saúde pública na América Latina e no mundo, e acredita que o evento caminha no sentido da consolidação do pensamento sanitário, entendendo que o Brasil, nas últimas décadas, tem sido importante na formatação de experiências inovadoras e na implementação de políticas públicas. Aborda questões sobre os determinantes sociais da saúde e intersetorialidade, dois pontos que considera estratégicos para a promoção da saúde. Para Temporão, o Ministério da Saúde tem de superar o falso dilema de entender a saúde como pré-requisito para o desenvolvimento. Esse novo paradigma deve ter a saúde como um dos componentes estruturantes de um modelo de desenvolvimento econômico e social que se integram em um processo único. Outro ponto levantado pelo ministro foi a questão dos novos modelos de gestão e de organização dos serviços públicos, que devem cobrar resultados para melhorar a questão das filas, do tempo de espera nos hospitais públicos, da má qualidade dos serviços e da precariedade dos serviços de saúde. Pontos polêmicos também foram abordados pelo Ministro como a interrupção voluntária da gravidez quando a mulher é vítima de estupro ou quando há risco de vida para ela, informando que já existe um projeto de lei, tramitando no Congresso Nacional, para proibir o aborto nesses casos. Antes de encerrar, enfatizou que o Brasil tem hoje um complexo de indústrias de saúde e de serviços de saúde que representam quase 10% do PIB, gerando 7,5 milhões de empregos diretos e indiretos, movimentando cerca de R$ 170 bilhões por ano, mas ainda sofre com a ampliação da vulnerabilidade social das políticas de saúde. Ao final de sua palestra, Temporão leu um trecho do poema “O Labirinto”, do filósofo alemão Walter Benjamim. O arquivo está disponível para audição e/ou download por meio do ícone ao lado.

Linguagem:

Formato:

Fonte: 
Arq6289
Descrição dos direitos autorais: 
Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada (CC BY-NC-ND 3.0)

Tags (palavra-chave):